segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Orange Pi Zero - Nova placa para desenvolvedores custa apenas US$7 (vale a pena?)


Novidade possui hardware melhor do que rival Raspberry Pi Zero, com um processador mais rápido e funcionalidade Wi-Fi.
Autor da Foto
Por 7 dólares, uma nova placa de computação chamada Orange Pi Zero custa menos do que alguns sanduíches em Nova York, nos EUA. A novidade está à venda em sites como o Alibaba.
A Orange Pi Zero pode ser usada para fabricar eletrônicos ou robôs, ou substituir um servidor de mídia ou de arquivos. Essas placas de desenvolvedores também são usadas para criar e testar aparelhos industriais.
A Orange Pi Zero concorre com a minúscula Raspberry Pi Zero, uma versão “pelada” da Raspberry Pi que custa 5 dólares. Mas a Orange Pi Zero possui hardware melhor com um processador mais rápido e funcionalidade Wi-Fi.
Não espere que a minúscula Orange Pi Zero entregue um desempenho explosivo ou substitua um computador completo. Se você está procurando uma placa poderosa, então considere comprar a Raspberry Pi 3, que custa 35 dólares, ou a Pine64, que sai por 15 dólares.
A nova Orange Pi Zero possui um processador quad-core Allwinner ARM Cortex-A7, que nos últimos anos tem sido usado em smartphones e tablets de entrada e intermediários.
A placa também traz um processador gráfico Mali 400 MP2, da ARM, que é capaz de processar vídeos em alta definição. A desenvolvedora da placa, Shenzhen Xunlong, afirma que ela consegue lidar com vídeo 4K H.265, mas a placa não é feita para isso. A Orange Pi Zero também não traz uma saída para monitor/tela.
A Orange Pi Zero também traz um slot para cartão SD e 256MB de memória. Um modelo com 512MB de memória sai por 9 dólares.
Por fim, a Zero inclui Wi-Fi 802.11 b/g/n e ethernet, além de slots e expansão e conectores para outras placas e uma entrada USB 2.0.
Se quer usar a placa para aprender programação ou testaar aplicativos, o software pode ser um problema. Ela suporta Android, mas apenas a versão 4.4. Também suporta os sistemas Debian e Ubuntu.
Reações:

0 comentários: