terça-feira, 23 de março de 2010

Mercado está aquecido para virtualização de desktops



por [Tagil Oliveira Ramos | especial para IT Web]


Enquanto a barreira cultural impede adoção em servidores de missão crítica, concorrentes brigam pela virtualização das máquinas dos usuários

Na primeira semana de março, a BMC Software promoveu um café da manhã em sua sede com gerentes e diretores de 15 empresas. O objetivo era sondar a expectativa de alguns de seus mais importantes parceiros de negócios sobre virtualização. A imprensa não teve acesso ao encontro, mas IT Web conseguiu com exclusividade informações sobre este mercado.
A primeira delas é uma pesquisa encomendada pela BMC ao Instituto Sem Fronteiras (ISF). Esse estudo confirma algumas das tendências mundiais para o Brasil, no que diz respeito ao avanço da virtualização de servidores e desktops. O grande apelo para CIOs e gerentes do segmento de TI continua a ser a redução de custos. "Existe uma barreira cultural muito grande a ser vencida", diz Gilberto Amaral, consultor-sênior de software da BMC. "Ainda é pequeno o número de empresas que estão planejando virtualizar seus ambientes de missão crítica."
O café da manhã apontou essa realidade. Numa enquete entre os presentes, descobriu-se que 64% das empresas já têm servidores virtuais, 10% não possuem e 20% não pretendem fazer nada neste sentido pelo menos nos próximos dez meses do ano. Quando o assunto é desktop virtualizado, a resposta é que 67% não utilizam este recurso, mas 22% pretendem tomar medidas. Cerca de 15% delas já possuem a solução implantada.
O segmento de virtualização está aquecido. Players do setor como VMware, Citrix, Red Hat e Microsoft colocam suas táticas de vendas na rua. A movimentação já se observa nos primeiros meses do ano. A líder VMware anunciou neste mês parceria com um distribuidor de grande porte, a Tallard Technologies, e aposta muita fichas no seu VMware View 4, talhado especialmente para desktops. A Microsoft bate de frente com a líder, oferecendo ao mercado a solução Hyper-V. Os analistas comentam que, apesar de menos sofisticada, ela se mostra, pelo menos no início, mais barata - a começar pelo download gratuito oferecido no site da software house.
A Citrix, uma forte parceira da Microsoft, costura parcerias (como a com a Novel, anunciada no mês passado) e fortalece seus canais, dando premiações como estímulo ao esforço de vendas. Ao mesmo tempo, lança versão 6 do XenApp 6, com ferramentas para administrar aplicativos, aumentar a escalabilidade e, de quebra, fazer a integração com o Windows Server 2008 R2. O XenDesktop, por sua vez, passa a suportar a Remote FX, próxima plataforma tecnológica da Microsoft. Um ataque agressivo conjunto ao mercado oferece promoções para incentivar a adoção de desktops virtuais, com foco em clientes que vão fazer a primeira experiência com máquinas virtuais ou com "dificuldades com a implementação do VMware View".
A Red Hat entra na ofensiva. "Em breve ofereceremos soluções para consolidação de desktops (Windows e Linux) sob a tecnologia RHEV (Red Hat Enterprise Virtualization) para desktops, complementando a oferta já existente para consolidação de servidores", revela Alejandro Chocolat, country manager da Red Hat Brasil.
O mercado brasileiro é considerado estratégico para empresas que apostam nesse nicho de TI. É o caso da Quest Software. No começo deste mês, dois de seus executivos Ben Sheffield, vice-presidente para parcerias de virtualização, e Dan McBreen, vice-presidente vendas para virtualização de desktops, estiveram no País fechando parcerias, ainda embargadas para anúncio na imprensa.
Leia mais
Especial virtualização: em março, o IT Web discute as tendências de virtualização tanto para as empresas usuárias como para o mercado fornecedor



O mercado até simpatiza com a idéia de Virtualização de Desktop, mas quando percebe que não tem nenhuma vantagem econômica, o entusiasmo arrefece e começa a analisar outras alternativas de virtualização de aplicações desktop que fazem mais sentido econômico. Melhor utilizar alternativas como o GO GLOBAL que virtualiza aplicações desktop a um custo muito, muito menor. Afinal, para que pagar pelo sistema operacional se voce precisa mesmo é do acesso à aplicação? O futuro é da aplicação virtualizada, independente do sistema operacional. Virtualização de Desktops nasceu ultrapassada.
Otto Pohlmann| otto@centricsystem.com.br | 22/03/2010



Em março, o IT Web discute as tendências de virtualização tanto para as empresas usuárias como para o mercado fornecedor


O futuro é na nuvem - Movimentação mundial deste mercado na casa dos US$ 2,1 bilhões neste ano acirra a concorrência entre os players
Mercado está aquecido para virtualização de desktops - Enquanto a barreira cultural impede adoção em servidores de missão crítica, concorrentes brigam pela virtualização das máquinas dos usuários
Especial virtualização: o momento é agora - Estimativas mostram que a carga de trabalho realizada em servidores virtuais aumentará este ano, passando de 40% para 55% Virtualização confere escalabilidade e flexibilidade às empresas - Soluções fomentam expansão de negócios. Varig/Gol e do Grupo Bom Jesus contam seus cases e mostram os resultados com a virtualização
Leia também:
Mais notícias do IT Web sobre virtualização
Reações:

0 comentários: