sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Fale ou gesticule: a máquina o entenderá

http://www.ethevaldo.com.br/Generic.aspx?pid=1377




Fale ou gesticule: a máquina o entenderá

12 de setembro de 2009
por Ethevaldo Siqueira

Daqui para a frente, passaremos a falar com os equipamentos. Ou a comandá-los por gestos, à semelhança de um maestro que rege a orquestra. Nos menores aparelhos pessoais usaremos as telas sensíveis ao toque (touchscreen), como nos modernos celulares.

Por outras palavras, o mundo da tecnologia vive a mais profunda mudança de paradigmas na relação homem–máquina – ou interface de usuário, segundo o jargão dos especialistas. A identificação das pessoas tende a tornar-se totalmente biométrica, com o uso das impressões digitais, da íris, da voz ou da fisionomia de cada um.

Em sentido amplo, essa foi, talvez, a principal conclusão dos visitantes da IFA 2009, a feira de eletrônica de entretenimento da Europa, realizada de 4 a 9 de setembro em Berlim, que superou em número de visitantes, tamanho e inovações sua maior rival, o Consumer Electronics Show (CES), de Las Vegas.

A IFA 2009 bateu todos os recordes de sua história, com 1.164 expositores, numa área efetiva de 121 mil metros quadrados, 228 mil visitantes e um total de 6.219 profissionais de mídia (de jornais, revistas, rádio, TV e web) de 78 países. Uma das estratégias do evento foi atrair o público com o maior impacto visual e instalações e cenários de luxo, como nos pavilhões da Philips, Samsung, Sony, LG, Lowe

A safra de inovações da IFA 2009
Com o avanço do processo de convergência, as comunicações, a eletrônica e a computação fundem-se cada dia mais para proporcionar ao ser humano um número incontável de benefícios, de elevação da qualidade de vida, de aumento da produtividade e do bem-estar, do conhecimento, do lazer e da saúde.

No pavilhão de áudio, ao lado de grandes corporações do setor, uma pequena empresa, a Vinylrecorder.com exibiu sua máquina exclusiva que grava um disco LP de vinil na hora. É a face ainda artesanal da eletrônica que sobrevive. 

As inovações na área da televisão ultrapassaram todos os demais segmentos de inovações nesta Feira de Berlim. Embora já tenha apresentado protótipos, em outras feiras e eventos internacionais, a TV tridimensional (TV 3D) conquistou este ano a maior parcela de atenções, principalmente do público jovem e adulto, pelo impacto visual dos novos jogos eletrônicos, com muito maior profundidade e relevo.

Faltam ainda conteúdos de qualidade para adultos, porque Hollywood até agora não deu a prioridade na produção de filmes, bem como na adaptação dos clássicos para 3D. Um dos obstáculos a essa produção em larga escala é a falta de padronização da tecnologia de cinema 3D.

A maioria das pessoas parece aceitar como normal o uso de óculos para assistir às demonstrações de TV3D. Esses óculos não são mais descartáveis nem de papelão e plástico de baixa qualidade, mas ganharam muito mais avançados, com design moderno e até modelos de grifes conhecidas.

A televisão, aliás, parece ganhar a cada dia mais força como novo centro de entretenimento e comunicação da casa digital, seja no home theater, seja nos centros ou servidores de controle de mídia (os home media servers). Nessa área, a empresa alemã Loewe impressionou pela variedade de soluções na área da casa inteligente e exibiu um dos projetos de home theater mais admirados por suas linhas arrojadas.

Outro sucesso para o público foram as imagens da TV LED, ou seja, com tela iluminada por diodos emissores de luz (LEDs, na sigla em inglês), apesar da controvérsia entre os fabricantes sobre a tecnologia e o uso dos diodos, na produção da luz de fundo (backlight).

Sharp e Philips divergiram publicamente sobre a solução de TV LED adotada pela Samsung, quanto aos requisitos e especificações dos novos televisores. Essas discussões técnicas, no entanto, por sua complexidade, não ganharam muita atenção do público, ficando-lhes apenas dois pontos de concordância total, no tocante à economia de energia proporcionada pela nova tecnologia e a beleza das imagens da TV LED. 

Como não poderia deixar de ser, a internet estava presente em todas as áreas da IFA 2009. Sua mais popular aplicação na área de entretenimento foi, de longe, a Web TV, denominação preferida pela Sony à Net TV, adotada pela Philips. É notável o avanço de qualidade das imagens de sites de imagem como YouTube e outros. Ninguém duvida de que a Web TV venha a ser uma das formas de maior sucesso nessa convergência de mídias.  (Foto 9-IFA-Web-TV-Sony).

Instituto Fraunhofer: uma fábrica de tecnologia
Nenhuma empresa ou instituição presente à IFA 2009 apresentou maior número de inovações do que o Instituto Fraunhofer. Famoso por diversas conquistas, inclusive a criação do sistema de compressão de áudio MP3, o Fraunhofer pode ser considerado uma verdadeira fábrica de tecnologia. Integrado por mais de 50 laboratórios de pesquisa e desenvolvimento, esse instituto é um dos melhores exemplos de colaboração entre governo e indústria.

Num estande especial, o Fraunhofer apresentou mais de uma centenas de avanços e inovações nas áreas de rádio e TV digitais, televisão sobre protocolo IP (IPTV) e sistemas de informação interativa e comunicação via satélite. Um de seus destaques foi sistema Dicit, interface por comando vocal à distância para controle da televisão interativa. Com ele, o usuário pergunta à sua TV e obtém como resposta a lista dos principais programas e melhores filmes do dia.

Nesse campo das novas interfaces, um avanço parece mágico: o sistema de comando de um televisor apenas por gestos das mãos do usuário, à distância de até 4 metros, desenvolvido também pelo Instituto Fraunhofer

Na área de educação, a sensação maior foi proporcionada por uma enciclopédia audiovisual, com acesso à internet, que é consultada por alunos e professores. “Este é o quadro negro inteligente do futuro”, explicou um dos cientistas.

Aliás, na IFA 2009, havia diversos outros avanços da eletrônica voltados para a educação, como o quadro branco interativo de LCD para escolas e empresas, da Samsung (à esquerda)e as novas versões de livros eletrônicos (e-books ou readers) da Sony, com telas de LED orgânico e diversos recursos de visualização dos textos (à direita).

Reações:

0 comentários: