sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Alta Definição

http://www.ethevaldo.com.br/Generic.aspx?pid=1375



A beleza sempre crescente da alta definição

13 de setembro de 2009

A IFA 2009 em Berlim confirmou minhas expectativas sobre os televisores de LED, de nova geração. Aliás, nas últimas semanas eu já vinha curtindo a beleza das imagens de alta definição como nunca havia feito antes, utilizando tanto os conteúdos de discos Blu-ray quanto de programas com imagens de alta definição da TV aberta brasileira e das TVs por assinatura Sky e TVA. O resultado final é muito positivo, pois a qualidade da imagem no novo televisor de LED é superior a quase tudo que já vi em televisão. E, melhor ainda, estamos apenas no início de uma nova geração de tecnologia em monitores e televisores.

O televisor de LED utilizado em meus testes, durante cerca de um mês, é o primeiro produto comercial da nova tecnologia de diodos emissores de luz (LED, de Light Emmitting Diodes), lançado no Brasil em abril, um modelo de 55 polegadas da série 6000 da Samsung, fabricado no País. Numa comparação visual com outros expostos na IFA 2009, em Berlim, na semana passada, a TV LED da Samsung oferece praticamente a mesma performance e, subjetivamente, a mesma qualidade de imagens.

Com sintonizador embutido para TV digital (set-top box), esse novo televisor não apenas atende às especificações e exigências da evolução tecnológica da televisão aberta brasileira, com a TV digital e as imagens de alta definição de 1.080 por 1.920 pixels, ou Full HD (High Definition), mas também surpreende pelo contraste e pelas cores vivas.

O GRANDE SALTO
Na realidade, os televisores e monitores passam por uma verdadeira revolução. Essas transformações começaram há cerca de dez anos com os televisores planos de maiores dimensões, de plasma e cristal líquido (LCD de Liquid Crystal Display), como relembrou recentemente, em entrevista a esta coluna, o brasileiro Rômulo Pontual, vice-presidente e diretor de tecnologia da DirecTV, nos Estados Unidos (Estadão de 23/08/2009).

Com a evolução da tecnologia e as escalas de produção sempre maiores, os preços vêm caindo de forma acelerada. No ano 2000, um televisor plano de plasma de 42 polegadas de diagonal, sem sintonizador digital, com definição para 720 pixels, custava algo próximo de US$ 25 mil (quase R$ 48 mil). Hoje, no Brasil, televisores de plasma com características similares já custam menos de R$ 2 mil.

Ao lado da evolução das tecnologias de plasma e LCD, surge uma variante desta última, a TV LED, que pode constituir uma nova geração de televisores e monitores. Com essa tecnologia, o televisor não necessita de lâmpadas fluorescentes de cátodo frio (CCFL) como nos televisores de LCD ou cristal líquido convencionais. Com o uso das lâmpadas LED de alta eficiência para a iluminação da tela, foi possível criar um televisor mais leve e delgado (design ultra slim), com cerca de apenas 3 centímetros de espessura.

RECURSOS
Os usuários da TV digital estão aprendendo a conviver com cabos de conexão muito mais precisos e sofisticados. O principal deles é o cabo conhecido pela sigla HDMI, de High Definition Multimedia Interface, como o que usamos para conectar um toca-discos Blu-ray ao televisor. O novo televisor de LED tem 4 entradas HDMI, o que lhe permite comportar-se como um centro de multimídia digital de alta velocidade. Outra conexão por meio dessas entradas pode ser feita com os videogames de alta definição, como o Play Station 3, da Sony, e outros.

Um dos recursos modernos que a TV LED da Samsung apresenta é a frequência dobrada (120 Hertz) de varredura dos quadros de imagem, denominado Auto Motion Plus 120 Hz, que introduz um quadro extra de imagem para tornar mais natural as cenas de grande movimento – como em esportes, corridas de fórmula 1 ou cenas de guerra. Esse quadro extra faz com que as imagens apareçam sem emendas aos olhos, sem tremulação dos movimentos nem borrões, nas cenas mais rápidas, mostradas com precisão e clareza.

O recurso USB 2.0 permite soluções de entretenimentos cada dia mais numerosas e interessantes. Com ele, o usuário pode conectar qualquer dispositivo portátil de mídia digital ao televisor, usando a entrada USB 2.0, e ver suas fotos na tela do seu televisor ou ouvir músicas.

Um dos recursos mais interessantes para quem gosta de filmes de cinema é a tecnologia 1.080 24p Real Movie, que permite que os televisores de LED exibam os filmes em seus formatos originais de 24 quadros por segundo, criando uma unidade entre os últimos filmes Blu-ray, disc players e os consoles de jogos que também são capazes de apresentar filmes em seus formatos originais.

ECONOMIA DE ENERGIA
Segundo a Samsung, a primeira consequência do uso das lâmpadas de LED nesses novos televisores é uma economia de energia da ordem de 40%. E, por não necessitarem das lâmpadas CCFLs para a luz de fundo, seus monitores são completamente livres de mercúrio, um sério poluente ambiental. Esses novos televisores também não utilizam chumbo para fixação dos componentes.

Preço de lançamento (modelo de 55 polegadas): R$ 11 mil (15% a 20% mais caro do que os televisores de LCD das mesmas dimensões).


Copyright 2009 – O Estado de S. Paulo – Todos os direitos reservados


Reações:

0 comentários: