segunda-feira, 25 de junho de 2018

Hardware - Sete curiosidades sobre Summit, o supercomputador mais rápido do mundo

Máquina com inteligência artificial e machine learning promete auxiliar em pesquisas na área de saúde e energia

A IBM anunciou neste mês o Summit, supercomputador mais rápido do mundo com inteligência artificial e machine learning. Projetada para o Departamento de Energia dos Estados Unidos, a máquina é capaz de realizar 200 quatrilhões de cálculos por segundo e deve auxiliar em pesquisas sobre doenças como câncer e Alzheimer, além de impulsionar os estudos de energia infinita para as próximas gerações.
Para conhecer melhor a supertercnologia, veja, a seguir, sete curiosidades sobre o Summit. De acordo com a IBM, a máquina pode ser considerada "a ferramenta científica mais poderosa já criada" e deve permitir que pesquisas importantes para toda a humanidade avancem em menos tempo e com nível mais elevado de precisão.
Summit é o atual supercomputador mais rápido do mundo, instalado nos Estados Unidos (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory) Summit é o atual supercomputador mais rápido do mundo, instalado nos Estados Unidos (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory)
Summit é o atual supercomputador mais rápido do mundo, instalado nos Estados Unidos (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory)

1. O mais rápido

A capacidade de potência computacional para realizar cálculos e simulações científicas de alta precisão do Summit é de 200 petaflops por segundo (200 quatrilhões, ou 200 seguido por 15 zeros). A configuração é a maior já registrada em uma máquina — superando a líder na categoria por dois anos, o supercomputador chinês Sunway TaihuLight, com 125 petaflops. Para comparação, a tecnologia é 1 milhão de vezes mais rápida que o notebook mais poderoso existente.

2. São 37 mil processadores

Para funcionar, o Summit possui 37 mil processadores, sendo nove mil chips da IBM e quase 28 mil fabricados pela Nvidia. Estes últimos, os GPUs Volta, foram otimizados para trabalhar com inteligência artificial e machine learning (aprendizado de máquina, em português). Segundo a fabricante, as unidades gráficas são responsáveis por 95% da capacidade de trabalho do supercomputador.
Supercomputador Summit tem quase 28 mil placas da Nvidia e 250 petabytes de armazenamento (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory) Supercomputador Summit tem quase 28 mil placas da Nvidia e 250 petabytes de armazenamento (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory)
Supercomputador Summit tem quase 28 mil placas da Nvidia e 250 petabytes de armazenamento (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory)

3. Usa 15 mil litros de água

Para fazer o resfriamento de todos os 37 mil processadores, o Summit utiliza 15 mil litros de água por minuto. O consumo do sistema permite que a máquina trabalhe com toda a capacidade sem passar por desgastes.

4. Tem 250 mil HDs de 1 TB

Além dos 200 petaflops de poder de processamento, o supercomputador da IBM tem 10 petabytes de memória RAM e 250 petabytes de armazenamento, equivalente a 250 mil HDs de 1 TB. Toda a estrutura está conectada por cerca de 300 metros de fibra óptica.
Summit recebe 15 mil litros de água por minuto e poderá ajudar no futuro da energia (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory) Summit recebe 15 mil litros de água por minuto e poderá ajudar no futuro da energia (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory)
Summit recebe 15 mil litros de água por minuto e poderá ajudar no futuro da energia (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory)

5. Ajuda na área da saúde

Mesmo com o anúncio recente, o Summit já tem compromissos importantes para trabalhar. Entre as pesquisas que o supercomputador deve ajudar, com auxílio do aprendizado de máquina, está o desenvolvimento de ferramentas para extrair e analisar dados médicos da população com câncer. Além disso, com o uso da inteligência artificial, ele deve auxiliar nos estudos sobre a doença de Alzheimer e dependências, identificando padrões e evoluções.

6. Futuro da energia

Outra área que o Summit deve auxiliar é a identificação de materiais para a próxima geração, analisando os dados sobre a energia de fusão. Com o aprendizado de máquina, o objetivo é que o computador encontre fontes mais eficientes para baterias, ou materiais de construção com propriedades mais resistentes prevendo suas escalas atômicas.
Supercomputador da IBM ocupa espaço equivalente a duas quadras de tênis (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory) Supercomputador da IBM ocupa espaço equivalente a duas quadras de tênis (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory)
Supercomputador da IBM ocupa espaço equivalente a duas quadras de tênis (Foto: Divulgação/Oak Ridge National Laboratory)

7. São 520 metros quadrados

Como o nome já diz, o supercomputador Summit está longe de ser uma máquina tradicional. Assim, a tecnologia ocupa mais de 520 metros quadrados do Laboratório Nacional de Oak Ridge, instituto de pesquisa onde foi hospedada nos Estados Unidos. O espaço é equivalente a duas quadras de tênis.
Via IBM e Wired

fonte: https://www.techtudo.com.br/listas/2018/06/sete-curiosidades-sobre-summit-o-supercomputador-mais-rapido-do-mundo.ghtml 
Reações:

0 comentários: