segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Wi-Fi - Será? 2015 já passou....

2015 será o ano da 802.11ac. Entenda por quê


wifi_80211acEvolução do padrão de rede 802.11n, o Wi-Fi 802.11ac é a 5ª geração da tecnologia mais popular de transmissão em redes locais sem fio. Ela traz uma série de benefícios aos ambientes corporativos, em que o uso de smartphones e dispositivos móveis é ascendente. Mas, afinal, o que muda? Vale a pena investir já em novos equipamentos?
Primeiramente, é importante saber que o novo padrão, definido pelo Instituto de Engenharia Elétrica e Eletrônica (IEEE), está sendo disponibilizado em duas “ondas”. A primeira começou em 2013, quando os primeiros equipamentos foram lançados com taxas de transmissão de dados de até 1.3 Gbps (gigabits por segundo).  Já os roteadores e demais equipamentos da segunda onda deverão ser lançados no primeiro semestre deste ano e devem atingir taxas superiores a 2.6 Gbps.

O que muda

Uma das diferenças é que o 802.11ac utiliza somente a faixa de transmissão de 5GHz (gigahertz), enquanto o 802.11n usa tanto a faixa de 5GHz quanto a de 2.4GHz. Para entender: as faixas mais altas são mais rápidas, enquanto as menores têm um alcance maior – e isso é coerente com o foco desse novo padrão, que é a velocidade. Em termos comparativos, o 802.11ac é três vezes mais rápido que seu antecessor: levando em conta que, quando se fala de Wi-Fi, existe a velocidade teórica e a real (throughput), pode-se dizer que as velocidades máximas com o 802.11ac são de aproximadamente de 920Mbps real contra 305Mbps nas redes 802.11n.
Outra diferença é que, no novo padrão, é possível agrupar um número maior de canais e utilizá-los de forma simultânea.

Fluxos espaciais e a expansão da velocidade

Mas há uma parte mais crucial para entender para a sua experiência de mundo real: fluxos espaciais (Spatial Streams), que é a capacidade de um determinado dispositivo em enviar dados de forma simultânea através de múltiplas antenas.
Espera-se que os dispositivos 802.11ac de segunda onda suportem até oito fluxos espaciais.  Atualmente os dispositivos mais avançados suportam, no máximo, três fluxos espaciais. À medida que fluxos espaciais são adicionados, a velocidade é aumentada consideravelmente. Por exemplo: um dispositivo 802.11n com suporte a dois fluxos espaciais conseguiria suportar velocidades de até 300Mbps em 5GHz; em comparação, dispositivos que suportavam três fluxos espaciais no mesmo padrão suportariam velocidades de até 450Mbps.
Em geral um smartphone possui suporte a apenas um fluxo espacial, mesmo que o ponto de acesso suporte oito. O mesmo vale para adaptadores USB e tablets que, em geral, suportam dois fluxos, e desktops e notebooks de última geração, que suportam três fluxos. Quanto mais fluxos disponíveis, maior a velocidade. Porém, ao comparar dispositivos que suportem apenas um fluxo espacial, a velocidade na rede 802.11ac será maior que em sua antecessora 802.11n.

Compatibilidade

Os equipamentos da primeira e da segunda onda são compatíveis com redes 802.11n e podem alcançar transferências de dados de até 450Mbps. Quem adquiriu equipamentos que operam na onda 1 pode ficar tranquilo: eles serão compatíveis com a onda 2, apesar de não terem todos os recursos disponíveis nela, como o MU-MIMO (Multi-user Multiple-Input Multiple-Output), uma tecnologia de comunicação que permite que o ponto de acesso transfira dados para vários clientes de forma simultânea. Atualmente, os pontos de acesso transferem dados apenas para um cliente de cada vez, mesmo que vários estejam conectados.

Viabilidade

Ao buscar por equipamentos adaptados ao 802.11ac, você pode se assustar com a diferença de preços em relação àqueles do padrão “n”. Isso porque os valores da linha home-office ou doméstica estão muito superiores. Entretanto, no mundo corporativo, os equipamentos “ac” estão ficando cada vez mais comuns, e atualmente é possível adquirir pontos de acesso 802.11ac por um preço semelhante aos pontos de acesso 802.11n, inclusive no Brasil.

Vale a pena investir?

É inegável o avanço em velocidade e amplitude do sinal da rede no padrão 802.11ac. Os ganhos de produtividade podem ser relevantes em locais de trabalho em que a demanda por acessos sem fio seja estratégico – como salas de aula adaptadas à tecnologia, já que suporta velocidades muito superiores. Além disso, vários dispositivos já estão saindo de fábrica compatíveis com o 802.11ac, ou seja, não é uma tecnologia do futuro, mas do presente, e vai demorar mais para se tornar obsoleto -enquanto o padrão “n” já pode ser considerado ultrapassado.
Outra alternativa é comparar orçamentos de serviços de rede Wi-Fi: os custos iniciais serão bem menores e é possível desenvolver um projeto de migração ou de rede híbrida, conforme o interesse do seu negócio.

fonte: http://teltecsolutions.com.br/mundo/2015-sera-o-ano-da-802-11ac-entenda-por-que/
Reações:

0 comentários: