quarta-feira, 15 de junho de 2016

Computação - explicação simples sobre computação quântica


Nasa e Google revelam salto em computação quântica


Em experimento, computador quântico superou máquina convencional em 100 milhões de vezes


Aparentemente, não há muito o que olhar na “caixa preta” que reside no coração do Advanced Supercomputing da Nasa, no Vale do Silício. Do tamanho de um armário, ele é menor que um supercomputador convencional, mas algo realmente impressionante acontece em seu interior.
No caso, a caixa é um computador quântico D-Wave 2X, um dos mais avançados exemplos de um novo tipo de computador baseado em mecânica quântica, que teoricamente pode ser usado para resolver problemas complexos em segundos ao invés de levar anos.
Computadores quânticos confiam fundamentalmente em princípios diferentes dos atuais computadores, em que cada bit representa ou zero ou um. Em um computador quântico, cada bit pode ser tanto zero e um – simultaneamente. Então, enquanto três bits convencionais podem representar qualquer um dos oitos valores (2^3), três qubits – como são chamados – podem representar todos os oito valores ao mesmo tempo. Isso significa que os cálculos podem, teoricamente, ser realizados a velocidades muito mais elevadas.
A pesquisa ainda se encontra em estágios iniciais e o uso comercial pode estar décadas de distância, mas uma equipe de engenheiros da Nasa e Google anunciaram nesta terça-feira (8) que o computador D-Wave, ao rodar um problema de otimização, obteve uma resposta 100 milhões de vezes mais rápida que um computador convencional com um único núcleo de processamento.
“O que uma máquina D-Wave faz em um segundo levaria 10 mil anos para um computador convencional com um único núcleo”, disse Hartmut Neven, diretor de engenharia do Google durante conferência para imprensa para anunciar o resultado.
Os pesquisadores vêem como um passo promissor, mas ele também vem com algumas ressalvas – uma vez que o computador foi projetado para a tarefa de otimização específica para o qual foi testado.
Um problema de otimização é aquele onde há várias formas possíveis de chegar a um resultado desejado.
O exemplo clássico é o vendedor viajante que precisa encontrar a rota mais eficiente para visitar um número de cidades. Quanto mais cidades são acrescentadas, maior o número de possíveis rotas e logo há muitas possibilidades para um computador convencional lidar em uma quantidade razoável de tempo.
DwaveChip
Aplicações
Problemas similares existem em missões espaciais e no modelo de controle de tráfego aéreo – áreas que a Nasa devota significantes esforços em computação.
O problema usado para testar o computador D-Wave tinha cerca de mil variáveis.
“A Nasa tem uma grande variedade de aplicações que não conseguem ser resolvidas em supercomputadores tradicionais em um prazo realista devido a sua complexidade exponencial, então sistemas que usam efeitos quânticos oferecem uma oportunidade de resolver tais problemas”, disse Rupak Biswas, diretor de exploração tecnológica no Nasa Ames.
Detalhes do teste foram publicados na última segunda-feira pelo Google em um artigo científico.
O resultado é importante para a D-Wave Systems, a start up baseada em Vancouver, Canadá, que construiu o computador.
A máquina no Ames Research Center da Nasa é uma das três que a D-Wave construiu. Outra se encontra no Los Alamos National Laboratory e a terceira é de propriedade da Lockheed Martin e usada pela University of Southern California.
Quando os primeiros resultados do computador D-Wave da Nasa foram publicados, houve um debate significativo sobre se a máquina estava superando os computadores convencionais.
Mas a primeira geração do sistema foi baseada em 512 qubits, e agora foi atualizada para 1907 qubits.
O trabalho de pesquisa do Google não foi revisado pelos seus pares, dessa forma cientistas ainda têm de pesar sobre os últimos resultados.


fonte: http://idgnow.com.br/ti-corporativa/2015/12/09/nasa-e-google-revelam-salto-em-computacao-quantica/
Reações:

0 comentários: